quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Audiência pública discute demarcação da terra indígena Xetá

Em Brasília, o presidente da FUNAI, Márcio Meira prestou esclarecimentos a deputados e produtores rurais. Estiram presentes o prefeito de Umuarama Moacir Silva e o deputado federal Osmar Serraglio

Edemilson Paraná

Aconteceu hoje, na Câmara dos Deputados, a audiência pública que discutiu a demarcação das terras indígenas Xetá na região de Umuarama e Ivaté. Na presença de deputados federais e cerca de 50 produtores rurais, que vieram especialmente para a ocasião, o presidente da FUNAI, Marcio Meira, prestou esclarecimentos sobre as atividades do órgão na região e as possibilidades de demarcação da terra. Estiveram presentes os prefeitos de Umuarama, Moacir Silva e de Ivaté, Sidinei Delai, além de outras autoridades.

Na audiência, realizada na Comissão de Agricultura da Câmara, Márcio Meira disse que a FUNAI ainda está na primeira etapa do processo, que consiste em estudos de campo e levantamentos fundiários. Segundo ele, não há motivos para grandes preocupações nessa fase dos trabalhos. “Apenas começamos os estudos. Depois que a FUNAI apresentar as conclusões e tomar uma decisão, os produtores ainda terão 90 dias para questionar a decisão. Trabalharemos por uma solução que seja boa para os índios sem negligenciar a situação dos produtores”, disse Márcio.

O Presidente da FUNAI, Márcio Meira explica sobre os estudos do órgão na região

A audiência foi convocada graças a um requerimento apresentado pelos deputados Osmar Serraglio (PMDB-PR) e Moacir Micheletto (PMDB-PR) na Comissão de Agricultura da Câmara. Segundo o deputado federal Osmar Serraglio, a demarcação das terras não tem qualquer fundamento legal. Isso porque, de acordo com a Constituição Federal, o marco temporal que define a ocupação das terras por indígenas e garante, portanto, possibilidade de demarcação é o dia 5/10/1988, data de promulgação da Constituição. Esse não é o caso dos índios Xetá, que há mais de 50 anos não habitam a região. “É um absurdo o que está sendo cometido, porque isso, além de contrariar a Constituição, irá desalojar mais de mil pessoas que trabalham e produzem em suas terras. A pretexto de proteger uns, vocês estão desprotegendo outros e isso é ilógico no Direito. Nós vamos ao Supremo Tribunal Federal se for preciso para defender o direito daqueles que os têm”, alertou Serraglio ao presidente da FUNAI.

Os deputados Moacir Micheletto(fundo) e Osmar Serraglio (frente) questionam a demarcação das terras

Para o deputado Moacir Micheletto, não há necessidade de tanta terra para pouco índio. Michelleto afirma ainda que o relatório inicial apresentado pela antropóloga Carmen Lúcia é mentiroso. “Eu afirmo com toda propriedade que esse laudo antropológico é mentiroso, não condiz com a verdade”. O deputado disse ainda que apresentará requerimento solicitando que a antropóloga preste esclarecimentos à Comissão.

Os prefeitos de Umuarama e Ivaté relataram, na audiência, os primeiros problemas gerados pela possibilidade da demarcação na região. “As pessoas estão angustiadas com a possibilidade de perderem suas terras. Isso é ruim para os produtores e ruim para a economia da cidade. O preço das terras que estão próximas a área da demarcação já está caindo. Essa gente tira da terra o seu sustento”, disse Sidinei Delai, prefeito de Ivaté. “A prefeitura de Umuarama está fazendo tudo o que está ao seu alcance para defender os legítimos possuidores da terra. Não podemos aceitar essa situação”, declarou Moacir Silva.

Prefeito de Ivaté, Sidinei Delai, deputado Osmar Serraglio e prefeito de Umuarama, Moacir Silva

O prefeito de Umuarama lembrou ainda da importância do apoio dos deputados paranaenses na questão: “Nos tranqüiliza saber que eles estão conosco, em especial o deputado Osmar Serraglio, que é um nome de peso e respeito em Brasília. A contribuição do Dr. Osmar para a cidade de Umuarama está sendo imensurável”. O Presidente do Sindicato dos Produtores Rurais de Umuarama, Valentin Spancersky, reforçou: “nos reunimos com os deputados e tivemos todo o apoio. O Dr. Osmar está nos representando muito bem nessa disputa. Não podemos deixar que nos retirem a terra conquistada de boa-fé com o suor de nosso trabalho”.

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Reitor da UFFS é empossado em Brasília


Solenidade no Ministério da Educação contou com a presença do deputado federal Osmar Serraglio

Edemilson Paraná

Tomou posse hoje, em Brasília, o primeiro reitor da UFFS (Universidade Federal da Fronteira Sul), Dilvo Ristoff. A solenidade de posse, realizada no MEC (Ministério da Educação), contou com a presença do Ministro da Educação, Fernando Haddad, deputados, senadores, professores, pesquisadores e autoridades da educação.

Dilvo Ristoff é doutor pela Universidade do Sul da Califórnia (EUA) e professor titular da UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina). Ristoff foi Diretor de Educação Básica da Fundação Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) e Diretor de Estatísticas e Avaliação da Educação Superior do Inep/MEC (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira). Em seu discurso de posse, o novo reitor disse que a UFFS irá priorizar o combate às carências sociais da região.


A UFFS será composta por cinco campi nas cidades de Laranjeiras do Sul e Realeza (PR), Chapecó (SC) e Cerro Largo e Erechim (RS). Ao todo serão ofertadas 10 mil vagas para estudantes de graduação, mestrado e doutorado em mais de trinta cursos.


O deputado federal Osmar Serraglio (PMDB-PR), relator do Projeto de Lei que criou a Universidade, disse ter se emocionado com a materialização de mais uma universidade no Estado do Paraná. “Com a UFFS teremos mais um fator de desenvolvimento na região sudoeste do Estado. Ganha a região e ganham os paranaenses, que terão mais uma possibilidade de acesso á educação”.


Ministro Fernando Haddad, reitor Dilvo Ristoff e deputado Osmar Serraglio

Deputado Osmar Serraglio com o prefeito de Laranjeiras do Sul, Jonatas Felisberto da Silva


terça-feira, 13 de outubro de 2009

Nova companhia aérea inicia operações no Paraná

A Sol linhas aéreas iniciou nessa segunda, dia 12, seus primeiros voos

Edemilson Santana

A Sol Linhas Aéreas, mais nova empresa brasileira de aviação regional, fez ontem (12) seu voo inaugural. Com dez passageiros a bordo, a aeronave Let 410 decolou de Cascavel rumo a Curitiba, onde aterrissou às 21h45. Nesta terça-feira, a Empresa realiza nove voos diários, ligando as cidades de Cascavel, Curitiba, Foz do Iguaçu e Maringá.

“Nosso objetivo é contribuir para a integração e desenvolvimento regional. Procuramos oferecer alternativas de voos compatíveis, por um preço justo, com conforto, segurança e pontualidade”, observa o Presidente da empresa Marcos Solano.

Ainda segundo Solano, até o dia 31 de dezembro próximo, com a chegada de novas aeronaves, outras rotas serão incorporadas, beneficiando cidades como Umuarama, Guarapuava, Londrina, Pato Branco ou Francisco Beltrão no Paraná e Chapecó, em Santa Catarina.

Na seqüência, já no próximo ano, os serviços deverão ser estendidos a Porto Alegre, Florianópolis, São Paulo, Presidente Prudente, Campo Grande, Dourados e Ponta Porã.

O deputado Osmar Serraglio parabenizou a empresa: “A chegada da Sol representa um grande avanço para o Estado. Melhoramos em infra-estrutura de transporte e tornamos mais dinâmico o trânsito dos paranaenses, encurtando distâncias. Parabenizo o Solano e os demais que tornaram essa empresa uma realidade”.

Deputado Osmar Serraglio com o presidente da Sol, Marcos Solano

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

Osmar Serraglio e Hilário Andraschko percorrem ministérios em busca de melhorias para a cidade de Palmas

As visitas já geram os primeiros resultados

Edemilson Paraná

O deputado federal Osmar Serraglio (PMDB-PR) e o prefeito de Palmas, Hilário Andraschko visitaram, hoje, em Brasília, ministérios e autarquias em busca melhorias para a cidade.

Osmar Serraglio, Gilberto Pucca e Hilário Andraschko no Ministério da Saúde

Serraglio e Hilário foram ao Ministério da Saúde, Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome e ao FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação). O conjunto de visitas e audiências obteve resultados imediatos: a dupla já conquistou, junto ao Coordenador Nacional de Saúde Bucal do Ministério da Saúde, o paranaense Gilberto Pucca, a implementação de um Centro de Especialidade Odontológica (CEO) e um laboratório de prótese dentária na cidade. O centro e o laboratório vão possibilitar a realização de cirurgias e outros procedimentos complexos. A instalação das melhorias contará ainda com mais cinco equipes de saúde bucal, que se agregarão ao programa Saúde da Família. A expectativa do Ministério é de que com a estrutura e as novas equipes o município consiga resolver cerca de 70% dos problemas de saúde bucal que afligem a cidade. Ressaltando o trabalho do coordenador, o deputado afirmou que o Gilberto Pucca é um paranaense que “orgulha nossa representação no governo Lula”.

Dr. José de Souza, Prefeito Hilário e Osmar Serraglio no FNDE

As conquistas não param por aí. No FNDE, Serraglio e Hilário receberam do Dr. José de Souza, coordenador-geral de apoio á manutenção escolar, a confirmação de que Palmas receberá dois novos ônibus escolares. A previsão é de que pelo menos um deles já seja entregue ainda este ano. Hilário, visivelmente emocionado, comentou as conquistas: “Assumi a cidade em situação precária e me senti na obrigação de lutar, aqui em Brasília, por melhorias. Estou muito feliz com as grandes conquistas que obtivemos”.

Palmas é uma das cidades mais desiguais do Estado e tem um dos mais baixos índices de Desenvolvimento Humano (IDH) do Paraná. “Isso mostra que temos grandes desafios e muito trabalho pela frente”, lembrou o prefeito.

Osmar Serraglio, viabilizador das audiências, ressaltou a importância da iniciativa e da parceira com o prefeito. “Sem dúvida, obtivemos grandes melhorias, e isso reforça nossa crença na necessidade constante de trabalho conjunto entre a prefeitura de Palmas e Governo Federal. Continuaremos trabalhando juntos por mais conquistas, porque, afinal, lutei intensamente para que Hilário, o legítimo mandatário de Palmas, assumisse o comando do município”.