quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Estrada Boiadeira também é vítima da corrupção


Durante visita a Cruzeiro do Oeste no último final de semana, o Deputado Federal Osmar Serraglio (PMDB) falou do quanto batalhou no Congresso Nacional para colocar recursos de bancada, seguidamente todos os anos, no Orçamento da União para a obra da Estrada Boiadeira. Serraglio afirmou que a obra ainda não foi concluída em razão dos vários desmandos nos setores competentes e das suspeitas de corrupção no próprio órgão responsável, o DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes), do qual até o superintendente foi afastado por irregularidades.

Osmar Serraglio, que foi relator da CPI dos Correios apurando o sistema de corrupção do Mensalão, afirmou categoricamente que todos os anos a obra tinha recursos disponíveis, mas que indícios de irregularidades nos reiterados processos licitatórios fizeram com que o Tribunal de Contas da União (TCU) suspendesse a execução e cancelasse todos os contratos. “Se não fosse as irregularidades e mais uma vez a corrupção, com certeza essa importante obra já estaria concluída e beneficiando a toda uma grande região.

Em 2009, depois de superadas diversas dificuldades, quando a estrada ia de fato sair do papel, a Boiadeira protagonizou uma das mais vergonhosas situações da sua história: o pagamento irregular de R$ 1 MILHÃO por um serviço de fiscalização e medição na execução de uma obra que não aconteceu. “Esse fato culminou com o afastamento do superintendente do DNIT”, afirmou o deputado. Serraglio ressaltou, no entanto, que a execução de um dos trechos será retomada brevemente.

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Mandato de Osmar Serraglio é aprovado por 96% dos internautas


Deputado foi eleito, em 2009, como um dos parlamentares em ascenção do
Congresso Nacional.

Pesquisa feita pelo portal Vigilantes da Democracia aponta que, para 80,9% dos iternautas, o deputado federal Osmar Serraglio (PMDB) exerce um “ótimo” mandato parlamentar. Somando-se ao número de internautas que consideram seu mandato “bom”, o percentual de aprovação de Serraglio sobe para 96,20%.

Desenvolvido pela Fiep (Federação das Indústrias do Paraná), a mais importante organização empresarial do Estado, o portal Vigilantes da Democracia
(http://www.vigilantesdademocracia.com.br/osmarserraglio/) é um sistema de monitoramento dos atuais parlamentares, em exercício de mandato.

O resultado da pesquisa é mais uma conquista de Osmar Serraglio. O deputado também foi indicado pelo Diap (Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar) como um dos parlamentares em ascenção do Congresso Nacional em 2009.

Relator da CPI dos Correios do Congresso Nacional, em 2006, Serraglio foi escolhido pela CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) como um dos deputados “fichas-limpas” do Congresso Nacional. (visite tambem: www.osmarserraglio.com).

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Relator Osmar Serraglio comemora condenação de envolvido no “mensalão”


O relator da CPI dos Correios do Congresso Nacional, deputado federal Osmar Serraglio (PMDB), comemorou nesta quinta-feira (dia 2) a primeira condenação de um envolvido no esquema de corrupção de parlamentares, empresários e autoridades públicas conhecido nacionalmente como “mensalão”.

O advogado mineiro Rogério Lanza Tolentino foi condenado pelo juiz da 4ª Vara da Justiça Federal, Alexandre Buck, à pena de sete anos e quatro meses de prisão e ao pagamento de uma multa de R$ 2 milhões. Além disso, o advogado está proibido de exercer cargo ou função pública por 14 anos e oito meses. Ele era o advogado e ex-sócio da SMPB&Comunicação, empresa que pertencia a Marcos Valério de Souza, acusado pelo STF (Supremo Tribunal Federal) de ser o principal operador do “mensalão”.

“Quando concluímos o relatório final da CPI dos Correios, nós afirmamos que os envolvidos no mensalão seriam rigorosamente punidos e que a Comissão não terminaria em pizza. Fico feliz de saber que a Justiça Federal tornou realidade as nossas previsões, motivo pelo qual entendo que o Judiciário e o ministro Joaquim Barbosa (relator do processo no STF) merecem elogios”, comentou Serraglio, um dos únicos deputados “ficha-limpa” do Congresso Nacional escolhidos pela CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil).

No recebimento da denúncia pelo STF, o ministro Joaquim Barbosa afirmou que Tolentino "atuava como verdadeiro braço direito de Marcos Valério, acompanhando-o em reuniões com outros acusados, indo à sede de empresas aparentemente envolvidas no suposto esquema de lavagem de dinheiro e inclusive fazendo repasses de dinheiro através de sua empresa, Lanza Tolentino & Associados".