sexta-feira, 29 de abril de 2011

Paulo Bernardo quer agência reguladora única para as comunicações


Vânio Pressinatte

Durante reunião provocada pela Frente Parlamentar pela Liberdade de Expressão e o Direito à Comunicação com Participação Popular, o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, disse que vai propor a criação de uma agência reguladora única para as comunicações (incluindo telecomunicações e radiodifusão), mas ressaltou que essa proposta só será confirmada se houver opinião favorável da presidente Dilma Rousseff. Para o ministro, o governo está consciente de que a existência de duas agências reguladoras na área de comunicação não é o melhor caminho.

Na Câmara, Paulo Bernardo foi recepcionado pelo vice-líder do Governo, deputado federal Osmar Serraglio (PMDB-PR), ao qual, respondendo questionamentos sobre o assunto, defendeu a aprovação de regras sobre prazos e condições do direito de resposta nos meios de comunicação. Ele disse que, por não haver regras atualmente, os pedidos de respostas acabam “engavetados”.

Convergência de mídias - Paulo Bernardo disse ainda que o novo marco legal da Comunicação também poderá alterar a Lei Geral das Telecomunicações (9.472/97). "O projeto feito pelo governo anterior não previa revisão dessa legislação. Mas nós vamos propor modificações porque mudou muita coisa na realidade brasileira, e a previsão é mudar ainda mais com a convergência de mídias." O ministro ressaltou que ainda não há previsão de quando o projeto do novo marco legal será concluído pelo governo e encaminhado ao Congresso.

Das Outorgas - Sobre as ações para coibir o uso de laranjas nas outorgas dos canais de rádio e televisão aberta, o ministro elencou uma série de medidas que poderão ser tomadas. A primeira é o aumento do valor da caução, que atualmente é de 0,5% a 1%, para 20% do valor da concessão.

Outra medida será a diminuição do prazo de pagamento das concessões ao governo, que antes poderia ser de até um ano. Paulo Bernardo disse que, nas novas concessões, os vencedores pagarão metade do valor na hora da homologação do resultado e a outra metade na assinatura do contrato.

Também será criado um banco de dados público sobre os detentores de concessão. “Existem 21 mil emissoras de rádio e televisão no Brasil, mas não existem dados disponíveis sobre elas, sobre quem são os detentores da outorgas”, disse Paulo Bernardo.

Além disso, o Ministério das Comunicações repassará todas as atividades de fiscalização técnica na área de radiodifusão para a Anatel, por meio de convênio
(informações da Agência Câmara)

Diretor do DNIT acata proposta de Umuarama e muda traçado da Boiadeira


Vânio Pressinatte

O diretor geral do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes – DNIT, Luiz Antonio Pagot, determinou na tarde desta quarta-feira (27), à Superintendência do órgão, no Estado do Paraná, que seja acatada a proposta de Umuarama para o traçado da BR 487 (Estrada Boiadeira), no trecho entre Cruzeiro do Oeste e Icaraíma (Porto Camargo). A informação foi repassada ao vice-lider do Governo na Câmara, deputado federal Osmar Serraglio e do deputado federal Moacir Micheletto, durante audiência na tarde de ontem.

Segundo Pagot, que se sensibilizou com a campanha feita pela comunidade umuaramense em defesa da mudança no traçado, um projeto de tamanha envergadura não poderia de forma alguma desprezar uma cidade pólo regional e da importância de Umuarama. “Nós nos sensibilizamos também com a questão ambiental, optando pelo traçado que evita prejuízos aos mananciais de captação de água e a Área de Preservação Ambiental, além disso, há que se considerar os custos e as facilidades para execução desta proposta”, disse o diretor.

O deputado Osmar Serraglio, que atendendo ao apelo de diversas entidades representativas da sociedade umuaramense, deu inicio ao trabalho junto às autoridades, disse que é uma conquista de Umuarama e de toda sua gente. “Foi muito importante o trabalho feito pela Associação Comercial e todas as entidades representativas que manifestaram seu apoio à idéia. Foi fundamental a manifestação do prefeito Moacir Silva e também do deputado estadual Fernando Scanavaca”, ressaltou. Ele destacou também a atenção dispensada pela senadora Gleisi Hoffmann, que recebeu a comitiva de Umuarama em Cascavel e também abriu as portas do seu gabinete em Brasília para tratar do assunto.

A proposta acatada pelo DNIT é considerada a proposta 3, dentre as opções e a única que não agride a Área de Preservação Ambiental APA). A Rodovia continua normalmente passando por Cruzeiro do Oeste e segue pela PR 323 até pouco depois do Distrito de Lovat, onde segue pela Estrada Velha de Cruzeiro até Umuarama, na divisa entre a Área de Preservação Ambiental (APA) e o perímetro urbano. Com o Parque Jabuticabeiras à sua direita, segue até Serra dos Dourados pela Rodovia que liga Umuarama a Ivaté.

De acordo com estudos técnicos, o traçado original, antes apresentado pelo DNIT, se projeta em mais de 15 km na área de manancial, cortando os cursos naturais de água em pelo menos 10 pontos, o que prejudicaria o abastecimento de Umuarama, previsto para os próximos anos.

ALTO SÃO FRANCISCO - Com a mudança no traçado da Boiadeira, quem ganha também, além de toda a população umuaramense com o desenvolvimento econômico e com a preservação do manancial de captação de água é a população do Bairro Alto São Francisco. Com a aproximação da rodovia BR 487 (Estrada Boiadeira) da cidade de Umuarama, o tráfego de caminhões será desviado para a rodovia, permitindo aos moradores o sossego desejado.

Diretor do DNIT acata proposta de Umuarama e muda traçado da

terça-feira, 26 de abril de 2011

Serraglio diz que apoiar Pacto Oeste é atitude inteligente


Vânio Pressinatte, da assessoria

O vice-líder do Governo na Câmara dos Deputados, deputado federal Osmar Serraglio, que é também membro do grupo de estudos indicado pelo Ministro Paulo Bernardo para representar a bancada paranaense no projeto do ramal ferroviário ligando Maracajú, no Mato Grosso do Sul ao Porto de Paranaguá, no Paraná, disse que é uma atitude inteligente do Governo do Paraná apoiar o projeto denominado Pacto Oeste. “Quem ganha com isso é o povo do Paraná e do Brasil. Acreditamos no sucesso do projeto desde o início e continuaremos dando o apoio necessário para sua concretização”, disse o parlamentar.

Serraglio que tem sido presença constante nos encontros para tratar do assunto aplaudiu a iniciativa do governador Beto Richa, quando na segunda-feira (25), afirmou que o governo do Paraná vai trabalhar para tornar realidade o projeto que pretende transformar o eixo Cascavel, Guaíra e Canindeyú (Paraguai) no maior corredor de produção de proteína animal do mundo. O plano prevê a construção de uma plataforma intercontinental para fomentar a circulação de mercadorias na região, incluindo a implantação de estruturas de processamento e armazenagem em Guaíra e uma série de obras de infraestrutura que desenvolvam os modais ferroviário, hidroviário, rodoviário e aeroportuário do Estado.

O programa, denominado Pacto Oeste, foi apresentado ao governador pelo coordenador técnico, Josemar Ganho, e por 11 prefeitos que integram o pacto. O objetivo é integrar e desenvolver as economias do Paraná e do Paraguai com investimentos em infraestrutura e logística. “Ao institucionalizar o Pacto Oeste estamos desenhando um futuro promissor para o Paraná. Vamos apoiar e investir na infraestrutura para que esse projeto desenvolva a nossa economia”, garantiu o governador, ressaltando que o sistema facilitará o escoamento das safras e irá gerar riquezas e empregos no Paraná.

Josemar Ganho, afirma que o corredor será o maior centro logístico do interior do continente e deve integrar a infraestrutura regional, nacional e continental. Ele explica que o sistema multimodal permitirá o escoamento das matérias primas dos estados e países vizinhos para a matriz de processamento que será construída em Guaíra. Dessa maneira será possível exportar e transformar os produtos em proteína animal.

Entre as necessidades de infraestrutura apontadas para viabilizar o programa estão a duplicação das BRs 277 e 163; um corredor ferroviário bioceânico Atlântico/Pacífico, que ligará o porto do Paraná aos portos do Chile; a construção de um aeroporto de cargas em Guaíra; e a consolidação da hidrovia Paraná/Tiete; e a ligação ferroviária de Maracaju (MS) ao Porto de Paranaguá e de Cianorte a Guaíra. Este último, uma das grandes bandeiras de Osmar Serraglio, que tem sido tema de diversos encontros do parlamentar, tanto em nível estadual quanto federal.

“Temos que pensar grande e é isso que queremos. O eixo modal irá inserir o Paraná no ciclo de desenvolvimento industrial e tornar este estado um protagonista da economia mundial. É um programa grandioso, que demonstra a importância do Paraná”, disse Ganho. Ele afirma que o próximo passo será marcar uma audiência com a presidente Dilma Rousseff e a ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão, Miriam Belchior, para apresentar o Pacto Oeste.

O secretário de Estado da Infraestrutura e Logística, José Richa Filho, diz que o projeto é importante e trará benefícios para todo o Paraná. “Há muitos grupos interessados em financiar o programa. O governo do Paraná tem uma importante tarefa de desenvolver o plano e tornar o estado um grande produtor de proteína. Passamos por um longo período de estagnação e agora o Paraná tem pressa”, afirmou.

Os municípios que fazem parte do Pacto Oeste são: Cascavel, Toledo, Assis Chateaubriand, Nova Santa Rosa, Mercedes, Palotina, Guaíra, Marechal Candido Rondon, Quatro Pontes e Maripá. Participaram ainda do encontro com o governador os secretários do Planejamento, Cassio Taniguchi; da Indústria, Comércio e Assuntos do Mercosul, Ricardo Barros; do Meio Ambiente, Jonel Iurk; do Turismo, Faisal Saleh; o secretário-chefe da Casa Civil, Durval Amaral; o deputado estadual Nelson Garcia, entre outros.

domingo, 24 de abril de 2011

Osmar Serraglio diz que voto em lista fechada é antidemocrático


Vice-líder do governo na Câmara, o deputado federal paranaense Osmar Serraglio (PMDB) criticou parte da proposta de reforma política já aprovada pela comissão especial para o tema no Senado. A principal contestação de Serraglio é quanto à votação em lista fechada nas eleições proporcionais, método que classificou de antidemocrático.

“Uma lista, na forma como é disposta, já elege aqueles que são os primeiros nomes. Se hoje reclama-se dos gastos em campanha, imagina quanto não vai se gastar para ter o nome entre os primeiros da lista?”, questionou, comentando que muitos países estão acabando com o sistema de lista fechada “para não ficarem condicionados a alguns grupelhos que comandam o partido”.

Serraglio citou que com a lista fechada acabará a possibilidade de alguém sem tradição político-partidária conseguir se eleger por apresentar, durante a campanha, novas ideias, propostas alternativas ou conquistar o eleitor pelo carisma. “Se ele estiver no PMDB do Paraná, por exemplo, só vai entrar se estiver entre os seis ou sete primeiros nomes da lista. Os demais, por melhor que forem, ou por mais criativa que fizerem suas campanhas, é sabido que só estarão lá para somar votos para a legenda”, comentou. “Então, sob esse viés, teria sim algo de antidemocrático, pois quem vai escolher os deputados será o partido e não mais pelo cidadão”.

Outra medida que o deputado lamentou é o fim da reeleição, mas, desta vez, Serraglio disse concordar com a proposta. O que ele criticou foi o fato de o Brasil ter de retroagir no assunto por não ter sabido usar o artifício da reeleição. “Nós mostramos, aqui, que não estamos preparados para a reeleição, pois há um abuso absurdo da máquina”, disse. “Se permitíssemos a reeleição no sentido de que quem está administrando bem deva prosseguir, é bom para a população que ele continue, sim deveríamos ter essa opção, mas, se retirarmos, é sinal de que não fomos coerentes com a norma. Criamos uma regra e abusamos dela”, concluiu.

(http://oestadodoparana.pron.com.br/politica/noticias/14457/)

sexta-feira, 22 de abril de 2011

Mensalão libertou o governo Lula, afirma Serraglio


Brasília - Em meio à guerra de versões sobre o que realmente foi o mensalão e às vésperas do julgamento dos acusados de envolvimento no esquema pelo Supremo Tribunal Federal (STF), o governo acaba de nomear como vice-líder na Câmara dos Deputados o paranaense Osmar Serraglio (PMDB). Relator da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) mista dos Correios, entre 2005 e 2006, ele foi um dos pioneiros na investigação do escândalo. Ao contrário do ex-presidente Lula, ele assegura que o episódio existiu, mas que pode ser avaliado por aspectos positivos.

“O mensalão libertou o governo Lula”, diz o peemedebista. “É só ver os índices de aprovação dele antes dos acontecimentos e depois, quando houve uma depuração no Ministério. No começo, tinha gente que dizia que estávamos em um regime parlamentarista, em que havia um primeiro-ministro [José Dirceu] que mandava internamente e um presidente que mandava para fora [Lula].”

Para Serraglio, não há qualquer ambiguidade na indicação para assumir a vice-liderança do governo. “Na época da CPI eu já era governista.” Desde 2006, porém, ele tem enfrentado dificuldades de convívio com setores da base aliada e da cúpula do PMDB.

Em 2007, ele disputou como candidato avulso, sem apoio oficial do partido, a primeira-secretaria da Câmara e ganhou. Em 2009, chegou a lançar-se à presidência da Casa, contra o correligionário e hoje vice-presidente da República, Michel Temer, mas foi convencido a desistir horas antes da eleição. Há três meses, novamente contrariando os interesses da legenda, concorreu à primeira vice-presidência da Casa e perdeu para a colega Rose de Freitas (ES).

Como vice-líder do governo, Serraglio terá de agir como interlocutor dos interesses do Palácio do Planalto. Além dele, também foi nomeado para a função Rodrigo de Castro (PR-RR). Ao lado do líder Cândido Vaccarezza (PT-SP), eles vão encaminhar e negociar as votações das principais propostas de interesse do governo.

Advogado e mestre em Direito Constitucional pela PUC de São Paulo – ele foi colega de turma do ministro do STF Carlos Ayres Britto e aluno de Michel Temer –, Serraglio está no quarto mandato como deputado. O auge da trajetória parlamentar foi a relatoria da CPI dos Correios. “Demorei dois dias para decidir se aceitava ou não. Depois foram dez meses de trabalho, dez horas por dia.” O relatório ajudou a embasar o processo em andamento no STF, que deve ser julgado nos próximos meses.

Na semana passada, outro paranaense diretamente envolvido na questão, o ex-procurador-geral da República Antonio Fernando de Souza disse em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo que há elementos suficientes para condenar todos os réus. Segundo ele, a prova mais forte é que “parte relevante dos valores teve origem em recursos públicos”. Souza foi o autor da denúncia acatada pelo STF.

Para Serraglio, o julgamento não sofrerá pressões do Executivo. Ele avalia que a grande cisão no governo ocorreu em 2005, quando Dilma Rousseff substituiu José Dirceu na Casa Civil.

(http://www.gazetadopovo.com.br/vidapublica/conteudo.phtml?tl=1&id=1118587&tit=Mensalao-libertou-o-governo-Lula-afirma-Serraglio)

Osmar Seraglio recebe presidente da Anoreg/BR


Na quarta-feira (20), o Presidente da Associaçãoo dos Notários e Registradores do Brasil (Anoreg-BR), Rogério Portugal Bacellar esteve em visita do deputado federal Osmar Serraglio, vice-líder do Governo na Câmara dos Deputados para convidar o parlamentar para o II Fórum Nacional de Integração Jurídica que será realizado de 13 e 14 de maio, em Foz do Iguaçu/PR .

Este importante Encontro será realizado pela ENNOR- Escola Nacional de Direito Notarial e de Registro e pela ENM – Escola Nacional da Magistratura, e terá a participação da Escola Nacional do Ministério Público e de membros da Escola da Advocacia. Dessa forma, assuntos de grande repercussão jurídica serão abordados sob a ótica dos segmentos envolvidos, contribuindo para o fortalecimento institucional e acadêmico dos profissionais das respectivas áreas.

sexta-feira, 15 de abril de 2011

Serraglio é vice-líder do Governo na Câmara


O Diário Oficial da União desta quinta-feira (14) publicou a indicação dos nomes dos deputados Osmar Serraglio (PMDB-PR) e Luciano Castro (PR-RR) para exercerem a função de vice-líderes do governo na Câmara.

O advogado Osmar Serraglio está no quarto mandato como deputado federal. É professor universitário, mestre em direito do Estado pela PUC de Sao Paulo. Em 2005, foi relator da CPMI (Comissão Parlamentar Mista de Inquérito) dos Correios e, em 2007, foi eleito primeiro-secretário da Câmara dos Deputados. Desde o primeiro mandato, é vice-líder do PMDB e membro da Comissão de Constituiçao, Justiça e Cidadania, dentre outras.

De acordo com Osmar Serraglio, com sua indicação a Presidente Dilma prestigia o PMDB e foi recebida com a grande responsabilidade de contribuir para com sua gestão. “É um grande orgulho ser indicado para ser porta voz de um governo que mostra que está preocupado com o desenvolvimento e crescimento da Nação, sem se esquecer do desenvolvimento social e o bem estar da nossa população. Tenho imenso prazer em ser o seu vice-lider na Câmara dos Deputados”, disse Serraglio. Lembrou, ainda, que o PMDB não é só base do Governo, mas o próprio Governo, pois o integra com o Vice-Presidente Michel Temer.

O outro indicado, Luciano de Souza Castro, é economista. Foi eleito pela primeira vez como deputado federal pelo Partido Liberal, em 1993. Foi vice-líder do até então PFL (Partido da Frente Liberal), atualmente DEM, de 1999 a 2002, líder do PL em 2006 e participou da criação do Partido da República (fusão do PL e Prona). Ano passado foi reeleito para exercer o sexto mandato como deputado federal (2011/2015).

quinta-feira, 14 de abril de 2011

Reunião com Temer tenta acordo sobre Código Florestal


O deputado federal Osmar Serraglio, vice-líder do PMDB na Câmara dos Deputados, participou na manha de quarta-feira (13) de audiência com o Presidente da República em exercício, Michel Temer, com a cúpula responsável pela finalização do Código Florestal, que deve ser votado de 15 a 30 dias na Câmara dos Deputados.

A proposta que aguarda votação no Plenário da Câmara é o substitutivo do deputado Aldo Rebelo ao PL 1876/99, que foi aprovado no ano passado por uma comissão especial. Em março deste ano, o presidente da Câmara, Marco Maia, criou um grupo de trabalho para atuar como uma câmara de negociação, mas ainda não foi definido um texto consensual.

Representantes dos ruralistas voltaram a defender apenas ajustes no substitutivo de Aldo Rebelo e ressaltaram a urgência do Congresso aprovar mudanças na atual legislação ambiental. O deputado Moreira Mendes (PPS-RO), por exemplo, afirmou, logo após o encontro no Palácio do Planalto, que as divergências diminuíram e que serão necessárias apenas mudanças na redação do texto aprovado no ano passado.

O deputado Osmar Serraglio, concorda com o deputado Aldo Rabelo (PCdoB-SP), autor do substitutivo ao PL 1876/99, quando diz que já há consenso em torno das mudanças que precisam ser feitas em seu texto, estando próximo de 98 ou 99% de se fechar um acordo. “Estamos muito próximos de resolvermos todas as divergências em torno da questão”, disse Serraglio.

Desmatamento
O substitutivo de Aldo Rebelo dispensa as propriedades com até quatro módulos fiscais da necessidade de manter reserva legal. Tanto a lei atual quanto a nova proposta preveem limites de reserva diferentes para cada região do País e tipo de bioma. Na Amazônia, em áreas de floresta, a reserva deve corresponder a 80% da propriedade. Nas outras regiões, esse percentual é de 20%. O módulo fiscal também é variável em função das regiões em que se localiza a propriedade. Na Amazônia, equivale a 100 hectares, enquanto no Sul e no Sudeste, fica, em média, em 20 hectares.

Além de Michel Temer e Osmar Serraglio, participaram do encontro, o presidente da Comissão de Agricultura, deputado Júlio Cesar (DEM-PI; presidente da Comissão de Meio Ambiente, deputado Giovani Cherini (PDT-RS); presidente da Comissão Especial de Reforma do Código Florestal da Câmara dos Deputados, Moacir Micheletto (PMDB-PR); o Relator o deputado Aldo Rabelo (PCdoB-SP); e o presidente da Frente Parlamentar do Meio Ambiente, deputado Sarney Filho.

sábado, 9 de abril de 2011

Serraglio visitará LAAD 2011 no Rio com comitiva oficial


A convite do Ministro da Defesa, Nelson Jobim, o deputado federal Osmar Serraglio, vice-líder do PMDB na Câmara dos Deputados, participará da comitiva que irá ao Rio de Janeiro na terça-feira (12) para abertura da 8ª Edição da Feira Latin America Aero & Defense – LAAD 2011. A comitiva viajará em avião da FAB com saída da Base Aérea de Brasilia, às 7h.

Participarão do evento, o Vice-Presidente da República, Michel Temer, que na oportunidade estará presidente em exercício em razão de viagem da Presidente Dilma Roussef à China, de 11 a 15 de Abril; o Presidente do Senado Federal, senador José Sarney (PMDB-AP); o Presidente da Câmara dos Deputados, deputado federal Marco Maia (PT-RS), entre outras autoridades.

A LAAD – Latin America Aerospace and Defence – a maior e mais importante feira de defesa e segurança da América Latina - reúne bienalmente empresas brasileiras e internacionais especializadas no fornecimento de equipamentos e serviços para as três Forças Armadas, polícias, forças especiais, serviços de segurança, consultores e agências governamentais. O evento acontecerá de 12 a 15 de Abril de 2011 nos pavilhões 3, 4 e 5 do Centro de Convenções do Riocentro, no Rio de Janeiro-RJ.

A abertura do evento acontecerá às 10h no pavilhão 5 e, das 10h as 12h30 as autoridades visitarão os estandes dos três pavilhões. O almoço para as 12h30, além das autoridades citadas acima contará com a participação da Comitiva de Parlamentares Franceses (senador Josselin de Rohan, presidente da Comissão de Assuntos Estrangeiros e da Defesa Nacional; senador Josette Durrieu; senador Bernard Piras e, senador Etienne Sallenave).

De acordo com o deputado Osmar Serraglio o evento é de grande importância para o setor de defesa e segurança. “Teremos oportunidade de vermos e avaliarmos o que há de mais moderno no que se refere à defesa e segurança para um país”, disse o parlamentar.

quinta-feira, 7 de abril de 2011

Osmar Serraglio garante ônibus para Mariluz


O Município de Mariluz recebeu durante a semana um ônibus escolar do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), do Ministério da Educação, no valor de R$ 198 mil a fundo perdido. O veículo é proveniente de Emenda Parlamentar do deputado federal e líder do PMDB na Câmara dos Deputados, Osmar Serraglio em atendimento ao pleito do prefeito Paulinho Alves e do vereador Benedito Oscar.

Para o vereador, a atenção do deputado é uma mostra do empenho e dedicação de Serraglio às necessidades de Mariluz. “Mais uma vez o Dr. Osmar se lembrou da nossa cidade, e especialmente das nossas crianças, contribuindo para um transporte escolar de qualidade”, disse. Segundo o prefeito Paulinho, a atenção do deputado vai ao encontro da preocupação da administração com a melhoria contínua nos serviços que presta à comunidade. “Um transporte escolar digno contribui para o aprendizado de nossas crianças”, afirmou.

Dr. Osmar disse que é sempre um grande prazer poder atender um município que tem uma administração preocupada com os verdadeiros anseios da comunidade como é o caso de Mariluz. “Em Mariluz, temos uma administração séria que conta com o apoio de vereadores dignos preocupados com seu desenvolvimento, a exemplo do companheiro Dito Oscar”, afirmou o deputado. Na foto, o prefeito Paulinho Alves e vereadores Dito Oscar, Marcos e Aparecido, junto ao ônibus e faixa de agradecimento ao deputado.

quarta-feira, 6 de abril de 2011

Unidades habitacionais beneficiarão famílias paranaenses


O Governo do Paraná, através da Companhia de Habitação do Paraná (Cohapar), em parcerias com os municípios e com a Caixa Econômica Federal vai construir 25 mil unidades habitacionais.

“Vamos atender 25 mil famílias ainda este ano e, para isso, precisamos da parceria com a Caixa Econômica, deputados, prefeitos, vereadores e lideranças. Somente assim poderemos resgatar as famílias paranaenses que vivem em condições precárias”, declarou opresidente da Companhia, Mounir Chaowiche.

Durante audiência na segunda-feira (04) para discutiram as metas habitacionais para o Estado durante o Governo Beto Richa, Mounir recebeu o prefeito de Umuarama, Moacir Silva, o deputado estadual Fernando Scanavaca e o deputado federal Osmar Serraglio.

terça-feira, 5 de abril de 2011

Osmar Serraglio diz que relatório da PF foi além do Congresso


Relator da CPI dos Correios, que investigou a existência do mensalão, o deputado federal Osmar Serraglio (PMDB), disse nesta segunda-feira em Curitiba que o relatório final da Polícia Federal foi além do trabalho feito pelo Congresso Nacional. Serraglio disse que a CPI chegou até a origem dos recursos, o fundo de publicidade do Banco do Brasil, a Visanet, mas a Polícia Federal identificou os destinatários.

“Eles ratificaram o que fizemos, e fizeram a parte deles. Eles tiveram a coragem de prosseguir e chegaram à outra ponta”, afirmou o deputado paranaense. Diante das conclusões da Polícia Federal, Serraglio acredita que o Supremo Tribunal Federal terá mais respaldo em futuras decisões sobre a culpabilidade dos denunciados por participação no esquema, que consistia basicamente da compra de votos no Congresso Nacional.

Uma outra frente de investigação mostrou que os recursos também poderiam ser desviados para campanhas eleitorais. “O laudo da PF mostra fatos e desmente a tese de que tudo não passou de uma orquestração para atingir o governo”, comentou o ex-relator da CPI dos Correios

Para Serraglio, ao contrário da crise provocada pelo escândalo no governo Lula, desta vez, as revelações da Polícia Federal têm efeito positivo para o governo da presidente Dilma Rousseff (PT). “O governo dela sai valorizado porque não interferiu nas investigações, foi transparente”, disse.

(http://www.oestadodoparana.com.br/politica/noticias/10118/?noticia=osmar-serraglio-diz-que-relatorio-da-pf-foi-alem-do-congresso)

sábado, 2 de abril de 2011

Serraglio trabalhará na Frencoop para reduzir carga tributária


Vânio Pressinatte

Durante reinstalação da Frente Parlamentar do Cooperativismo (Frencoop) no Congresso Nacional, tomou posse também sua nova diretoria. A Frencoop é uma das mais antigas e atuantes no Congresso Nacional. Criada em 1986, nas últimas eleições, teve a permanência de 60% dos seus integrantes. Na 53ª legislatura, a Frencoop contou com a participação de 245 parlamentares, 220 deputados federais e 25 senadores. No início da atual legislatura, a 54ª, a Frente já conta com 221 membros, sendo 197 deputados e 24 senadores, e a intenção é aumentar esse quadro.

De acordo com o deputado federal Osmar Serraglio (PMDB-PR), vice-líder do PMDB na Câmara e diretor de assuntos tributários da Frencoop, o Sistema Cooperativista Brasileiro, formado por 6.652 cooperativas, cerca de 9 milhões de associados e 298 mil empregados, responde por uma receita de US$ 4.417 bilhões em exportações e cerca de 5.4% do PIB. “É sem dúvidas um setor importantíssimo para a economia brasileira e também pela geração de empregos e, por isso merece nosso apoio. Trabalharei para reduzir sua carga tributária”, disse o deputado.

Presente na solenidade, o presidente da Câmara Federal, Marco Maia, disse que a Frencoop é uma das mais importantes no Congresso. Lembrou que as cooperativas são um dos alicerces da economia do país e que tem orgulho de ter participado efetivamente da Frencoop. Finalizou sua participação, reiterando que os projetos do cooperativismo deverão receber especial atenção enquanto ele for presidente da Câmara.

Na mesma data, foi lançada também a Agenda Legislativa do Cooperativismo, edição 2011. A publicação, que está em sua quinta edição, reúne 57 proposições de interesse do Sistema Cooperativista Brasileiro em tramitação na Câmara dos Deputados e no Senado Federal. A Frencoop, tem como presidente o deputado Zonta do PP de Santa Catarina.