segunda-feira, 20 de junho de 2016

SISTEMA OCEPAR: Deputado Osmar Serraglio prestigia reunião da diretoria


O deputado federal e presidente da Frente Parlamentar do Cooperativismo (Frencoop) no Congresso Nacional, Osmar Serraglio, participou, na manhã desta segunda-feira (13/06), em Curitiba, da 15ª reunião ordinária da diretoria da Ocepar, referente à gestão 2015/2019. Ele foi convidado a falar sobre as principais matérias ligadas ao cooperativismo em tramitação no legislativo federal. “Para mim, é um orgulho muito grande estar lá na Frente Parlamentar do Cooperativismo e, agora, poder comparecer a esse ambiente que é um dos mais representativos do cooperativismo do Brasil, onde há presidentes de cooperativas tão fortes do nosso estado discutindo o dia a dia e as macro decisões que precisam ser tomadas para que, de alguma forma, haja uma uniformização na linha condutora do cooperativismo paranaense”, disse o parlamentar. 
Nova gestão – Ele também destacou a mudança na gestão do Sistema Ocepar que, desde o dia 1º de abril, tem na presidência José Roberto Ricken no lugar de João Paulo Koslovski.  “É uma alegria estar vindo na primeira reunião do José Roberto Ricken como presidente da entidade. Nós temos a maior reverência a tudo que o João Paulo Koslovski fez enquanto esteve à frente da Ocepar. Ele é um cidadão que não é paranaense; é nacional nesse ambiente. É um cooperativista de ponta, símbolo do que significa estruturar um setor e dar resultados como os que têm sido registrados no Paraná”, afirmou. “Ele próprio, com apoio da diretoria, colocou o José Roberto Ricken no cargo e isso exterioriza a confiança que Koslovski tem no novo presidente e a certeza de que, apesar das responsabilidades serem muito pesadas, ele está mais do que preparado até porque está aqui há décadas e, portanto, é alguém que realmente acompanhou toda a evolução do cooperativismo no Paraná”, acrescentou.
Desafios – Sobre o trabalho na Frencoop, Serraglio afirmou que está confiante na aprovação de projetos importantes para o setor. “Nós temos permanentemente a discussão do ato cooperativo e da Lei Geral das Cooperativas, que são a estrutura de tudo em relação à legislação cooperativista. Nos últimos 13 anos, havia uma ideologia clara que dificultava alguns avanços nessas matérias. Nós imaginamos que agora nós vamos conseguir definitivamente aprovar esses dois grandes projetos que são um sonho, uma reivindicação, uma aspiração do cooperativismo há muito anos”, frisou.
Visão diferente - “São projetos antigos que evoluem e, ao mesmo tempo, retroagem. Mas nós temos essa esperança de aprová-los porque há uma visão diferente. É a visão da iniciativa privada e as cooperativas têm o senso coletivo mas atuam com respeito à iniciativa privada, à propriedade, que é um entendimento que o governo não tinha, basta ver  o que estava sendo feito em relação às reservas indígenas, à criação das reservas florestais, todas situações que criam dificuldades para o produtor”, disse.
Exemplo – “Enquanto o que nós queremos é incentivar o produtor porque todos sabem e reconhecem que quem está efetivamente alavancando esse país nessa dificuldade toda em que estamos é o agronegócio. Nós temos cooperativas de outros ramos que também são importantes. Mas, no segmento do agronegócio, as cooperativas do Paraná são exemplo, não diria para o Brasil, são exemplo para o mundo”, completou.
Pauta – A reunião da diretoria da Ocepar foi conduzida, nesta segunda-feira, pelo presidente da entidade, José Roberto Ricken. Na oportunidade, os diretores deliberaram sobre os seguintes temas: avaliação das atividades do Sistema Ocepar no período de 01/04 a 10/06, o Programa Especial de Formação para os Presidentes das Cooperativas, a realização de um estudo sobre a adesão ao Plano de Previdência Privada da OCB e a audiência ocorrida no dia 24 de maio, em Brasília, com o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, que teve a participação dos presidentes dos Sistemas OCB, Márcio Lopes de Freitas, e Ocepar, José Roberto Ricken.

quarta-feira, 15 de junho de 2016

Caminhos da Saúde são debatidos pelas Unimeds do Paraná


Com o tema “Pessoas, Processos e Tecnologia em Saúde”, o 24º Simpósio das Unimeds do Estado do Paraná (Suespar), aconteceu durante três dias na ultima semana no Bourbon Cataratas Convention & Spa Resort, em Foz do Iguaçu.   Destinado a dirigentes, cooperados e colaboradores do Sistema Unimed e convidados, o encontro, que acontece anualmente, tem o objetivo de discutir os caminhos da assistência em saúde.
O presidente da Ocepar – Organização das Cooperativas do Paraná, José Roberto Ricken, falou das dificuldades do setor cooperativo em razão da crise nacional.  “O momento deixa a gente bastante apreensivo, mas o cooperativismo não tem outro endereço a não ser aqui. As multinacionais podem sair e ir para o outros países, mas nós só temos uma chance e é aqui. E tenho confiança que com profissionalismo nós podemos vencer essa situação”, destacou.
Presidente da Frente Parlamentar do Cooperativismo no Congresso Nacional – Frencoop, o deputado federal Osmar Serraglio, defensor do sistema cooperativista, lembrou dos descasos do Governo Federal, especialmente com a saúde.“Eu lembro de tantas batalhas no Congresso Nacional durante as discussões sobre privatização das empresas e, aqueles que com mais veemência brigavam para que não privatizássemos eram os que queriam tomar o poder e precisavam das empresas públicas para utilizá-las. Acabaram com o país.”
“Nós estamos regredindo em torno de 8% e isso significa que vamos levar 10 anos para recuperar. Vamos conseguir com o espírito cooperativista. A Espanha conseguiu sair da crise através do cooperativismo e nós aqui no cooperativismo, a Unimed com o espírito de trabalhar com o que há de mais sagrado, a saúde das pessoas”, destacou, dizendo que para a recuperação do país, é preciso saúde moral e lembrou Rui Barbosa: De tanto ver triunfar as nulidades; de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça. De tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra e a ter vergonha de ser honesto.
O presidente da Unimed Paraná, Dr. Paulo Roberto Fernandes Faria, falou de mudanças de paradigmas e das inovações que precisam ser feitas para continuar avançando. “Sabemos que vivemos um momento muito significativo na nossa história. Há um mundo que parece estar morrendo e outro que ainda não nasceu. É justamente essa passagem que podemos chamar de quebra de paradigma. Já não funciona o que conhecemos e ainda não sabemos o que virá”, disse.