segunda-feira, 8 de julho de 2013

Castro deve ser reconhecida como Capital Nacional do Leite


Esta semana, mais um importante passo foi dado para que Castro receba o título de 'Capital Nacional do Leite'. O projeto de Lei número 3931/2012, de autoria do deputado federal Osmar Serraglio (PMDB-PR) foi aprovado pela Comissão de Cultura (CCULT) da Câmara dos Deputados. O único deputado a votar contra o projeto foi Jean Wyllys (PSOL-RJ). A votação foi acompanhada pelo vice-prefeito e secretário municipal de Gestão Pública, Marcos Bertolini, e os secretários municipais de Esporte, Antenor Telles; e de Governo, Ricardo Cardoso Filho, além do presidente da Câmara de Vereadores de Castro, Herculano da Silva (PSL).

Ontem, o projeto foi encaminhado para a Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC), onde aguarda designação do relator. “O título é o reconhecimento dos fatos, pois as estatísticas mostram que Castro é a maior produtora de leite do País. E, neste sentido, contamos com a importante parceria do deputado Serraglio, que defende o projeto”, aponta Bertolini.

O deputado Osmar Serraglio apresentou o projeto no ano passado, baseando-o nas estatísticas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) que demonstram que Castro produziu mais de 134 milhões de litros de leite em 2006. Em 2007, esse número aumentou para 135,6 milhões. Já em 2011 foram 138,3 milhões de litros produzidos e comercializados. “A produtividade de leite em Castro é, de forma inquestionável, a maior do Brasil. O título só vem formalizar uma realidade”, destaca. “Este título será uma grande vitória para o município e valoriza não apenas Castro, mas a região como um todo”, completa Cardoso Filho.

O deputado Serraglio acredita que o projeto será aprovado pelas comissões da Câmara e dentro de pouco tempo seja encaminhado para o Senado. “Lá, há senadores que também concordam e defendem o projeto, e que devem encaminhá-lo com agilidade”, complementa.

Para Bertolini, a titulação vem como reconhecimento ao município de Castro e à Região dos Campos Gerais, ainda mais pela importância do cooperativismo que tem garantido maior aproveitamento da produção do leite e também no processo de industrialização. “Isso tem agregado valor na produção local, e benefícios aos produtores e à comunidade”, destaca. Além das cooperativas, de acordo com Bertolini, é grande o número de produtores que têm volumes consideráveis destinados às indústrias.


“Temos visto a própria Castrolanda investindo na verticalização de todos os processos da produção, investindo na unidade de leite e com interesse em continuar a expansão, e o que depender do Município, estamos atentos, a cadeia do leite será incrementada, porque é uma produção que alavanca outros setores como agropecuária, comércio, prestação de serviços, e outros”, finaliza.