quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Filme relembrará o escândalo do mensalão

Felipe Müller

O diretor do filme “Tropa de Elite”, José Padilha, anunciou nesta semana que realizará um longa-metragem que terá como pano de fundo o “escândalo do mensalão”. A notícia trouxe novamente à tona o caso que já levou a condenação pelo Banco Central dos Bancos Rural e BMG, além de um extenso processo no Supremo Tribunal Federal (STF) contra 40 pessoas, entre elas o ex-ministro da Casa Civil, José Dirceu (PT-SP).

O “esquema do mensalão” é como foi chamado o pagamento de propina para deputados em troca de apoio ao governo. O caso ficou conhecido em 2005, depois de denúncias do ex-deputado Roberto Jefferson (PTB-RJ) e foi investigado pela CPI dos Correios naquele ano. O processo, baseado no relatório final da CPI, tramita atualmente no STF e acumula 100 volumes e mais de 170 anexos, contidos em mais de 30 mil páginas que chegam a pesar 150 quilos. É a maior causa em julgamento dos 200 anos de existência do STF.

Deputado Osmar Serraglio apresenta o relatório final da CPI dos Correios. 30 mil páginas que chegam a pesar 150 quilos. Foto: Moreira Mariz/Agência Senado

O relatório da CPI está gerando novos resultados. Com base no documento elaborado pelo então relator da CPI dos Correios, deputado federal Osmar Serraglio (PMDB-PR), o STF julga nessa semana o caso do "mensalão mineiro". Segundo o relator do processo no STF, ministro Joaquim Barbosa, há clara relação entre os crimes supostamente cometidos no mensalão nacional e no Estado de Minas Gerais, sob o mandato do então governado Eduardo Azeredo (PSDB-MG). Nos dois esquemas houve pagamento de parlamentares e uso de caixa dois em campanha sob coordenação do publicitário Marcos Valério.

Osmar Serraglio diz que o filme coloca de novo o assunto em discussão e pode agilizar o processo na Justiça. “Um filme sobre o mensalão mostra como é grande a relevância do caso para a sociedade brasileira e indica que graças a um árduo trabalho de investigação, ela ainda não se esqueceu dessa história”, afirma.

Segundo o produtor do filme, Alfredo Bertini, o longa contará apenas com personagens fictícios e trará o escândalo como pano de fundo. A história se passará em Brasília e deve começar a ser gravada no 2º semestre de 2010.