quarta-feira, 15 de junho de 2011

BB lança Giro APL para investimento regional


O Banco do Brasil lançou ontem a linha de crédito que será direcionada ao Arranjo Produtivo Local (APL) de Umuarama e região. Intitulada Giro APL, a linha fornecerá o quanto for necessário e cabível às empresas para promover o desenvolvimento tecnológico, empresarial, cooperativista e, consequentemente, o enriquecimento da região. Autoridades garantiram em solenidade pela manhã de ontem que o lançamento é um marco para a economia do noroeste.

Segundo o gerente do Banco do Brasil, Sérgio Vercezi Filho, o reconhecimento do banco pelo APL de Umuarama e o lançamento da linha de crédito iniciam uma nova fase na região. “Agora quanto mais cidades e empresas agregarmos, melhor”.

Vercezi explicou no lançamento de ontem, que a partir de agora as empresas passarão a ter um relacionamento coletivo e não mais individualista, pensando apenas no seu lucro, mas na potencialidade regional que uma união de setor pode proporcionar. “Elas deixam de ser um aglomerado de empresas para se tornarem um APL, com visão mais ampla da cadeia produtiva”, explicou.

Hoje, o Banco do Brasil está vinculado a 191 APLs em todo o país, que atendem a 731 municípios, com 20.014 negócios relacionados. Tudo isso através de R$1,87 bilhões em crédito direcionado. Umuarama torna-se agora a 16ª APL do Paraná. No estado, o BB está atuando em 1.227 empreendimentos, com disponibilização de R$122 milhões, mais R$30 milhões em investimento, R$9 milhões para comércio externo e R$19 milhões de apoio ao agronegócio. “São R$180 milhões a empresas vinculadas a APLs no Paraná, mas para ceder o crédito, o grande desafio é criar a cultura de cooperativismo, da confiança”, disse.

Para o vice-líder do Governo na Câmara, deputado federal Osmar Serraglio, uma das questões que devem ser consideradas nessa nova “era econômica”, é a matéria prima. Na edição de ontem do Ilustrado, o presidente do Sindicato das Indústrias Moveleiras de Umuarama e Região (Simur), Wanderlei Xavier, comentou que toda a madeira utilizada na produção do município vem de fora. “A madeira tem um poder econômico altíssimo. Precisamos repensar o jeito de utilizar terras, com plantações de eucalipto feitas maneira inteligente e industrial, sem sufocar outras partes da agricultura ou agropecuária”. A não utilização ou má utilização de tantas terras na região é retrocesso para o desenvolvimento na visão do deputado.

O prefeito municipal, Moacir Silva, finalizou firmando o compromisso de melhorar a infraestrutura do parque industrial onde estão as empresas moveleiras. “Estamos providenciando a construção de galerias e o asfaltamento de todo o parque 3A”, disse. Para o deputado estadual, Fernando Scanavaca, os umuaramenses não têm ideia da importância desse setor para a economia. “Cidades circunvizinhas, distritos, seriam muito piores se Umuarama não tivesse uma indústria moveleira expressiva”, disse.